Terça-feira, 21 de Fevereiro de 2006

Hífen (7)

Continuemos a ver o que o acordo ortográfico estabelece quanto ao uso do hífen.

Existem nomes de plantas e animais que são palavras compostas. Às vezes têm um elemento de ligação como uma preposição ou um pronome. Tais nomes escrevem-se com hífen. O texto do acordo dá os seguintes exemplos: “abóbora-menina”, “couve-flor”, “erva-doce”, “feijão-verde”; “benção-de-deus”, “erva-do-chá”, “ervilha-de-cheiro”, “fava-de-santo-inácio”, “bem-me-quer” (nome de planta que também se dá à “margarida” e ao “malmequer”); “andorinha-grande”, “cobra-capelo”, “formiga-branca”; “andorinha-do-mar”, “cobra-d’ água”, “lesma-de-conchinha”; “bem-te-vi” (nome de um pássaro).

Repare-se que se escreve “bem-me-quer” e “malmequer”. O hífen é realmente algo de complicado em português. Não admira que a Drª Edite Estrela graceje dizendo que, às vezes, tem que consultar os livros que escreveu para saber usar correctamente o hífen.

O projecto de acordo de 1986 introduzia alterações radicais no uso do hífen. Algumas grafias resultantes deste projecto eram algo estranhas – por exemplo, “bemequer” em vez de “bem-me-quer”. Talvez se quisesse ir longe de mais em 1986, mas, se calhar, no texto que foi aprovado avançou-se pouco, muito menos do que era possível e desejável.

Num outro artigo faremos um balanço quanto ao hífen - veremos em que medida o acordo muda as regras do hífen e daremos uma vista de olhos ao que propunha o projecto de 1986, o qual indispôs muita gente até à medula.

É melhor ficar por aqui. O hífen tem que ser estudado em pequenas doses.


João Manuel Maia Alves
publicado por João Manuel Maia Alves às 16:25
link do post | comentar | favorito
|
Segunda-feira, 13 de Fevereiro de 2006

Hífen (6)

Já examinámos o uso do hífen em termos como “ano-luz”, em que duas palavras se juntaram formando uma unidade com sentido próprio e mantendo cada uma a sua pronúncia.

Em certas palavras perdeu-se, de certo modo, a noção de serem compostas. Por isso, não têm hífen. São exemplos “girassol”, “madressilva”, “mandachuva”, “pontapé”, “paraquedas” e “paraquedista”.

Há topónimos (nomes de países, regiões, cidades, etc.) que se iniciam com as palavras “grão” ou “grã”. Escrevem-se com hífen: “Grã-Bretanha”, “Grão-Pará”.

Também se escrevem com hífen topónimos que começam com uma forma verbal:
“Abre-Campo”, “Passa-Quatro”, “Quebra-Costas”, “Quebra-Dentes”, “Traga-Mouros”, “Trinca-Fortes”.

Escrevem-se com hífen topónimos com elementos separados por artigo:
“Albergaria-a-Velha”, “Baía de Todos-os-Santos”,”Entre-os-Rios”, “Montemor-o-Novo”, “Trás-os-Montes”. O artigo tem de estar sozinho; não pode existir contraído com uma preposição.

Os outros topónimos compostos escrevem-se com os elementos separados, sem hífen: “América do Sul”, “Belo Horizonte”, “Cabo Verde”, “Castelo Branco”, “Freixo de Espada à Cinta”. “Guiné-Bissau” é excepção a esta regra.

É melhor ficarmos por aqui para não nos empanturrarmos com esta indigesta matéria.

João Manuel Maia Alves
publicado por João Manuel Maia Alves às 17:41
link do post | comentar | favorito
|
Segunda-feira, 6 de Fevereiro de 2006

Hífen (5)

Reparemos na palavra “ano-luz”. É composta de duas palavras palavras – “ano” e “luz”. Uma palavra é colocada depois de outra, conservando cada uma a sua vida própria. Diz-se que uma tal palavra é formada por justaposição.

Na palavra composta “louva-a-deus”, nome dum insecto, existe uma palavra de ligação. O mesmo acontece no nome da localidade “Idanha-a-Nova”. Pelo contrário, em “ano-luz” duas palavras são colocadas uma depois da outra, sem nenhuma outra a ligá-las.

A palavra “ano-luz” é composta de dois nomes ou substantivos. Os seus elementos são de naturaza nominal. Não é obrigatório que palavras de construção semelhante constem só de substantivos. Assim em “amor-perfeito” um elemento é nominal e o outro adjectival, isto é, trata-se dum adjectivo. Em “primeiro-sargento” o primeiro elemento é de natureza numeral, o segundo é um substantivo. Em “guarda-chuva” existe uma forma verbal e um substantivo.

Há casos em que o primeiro elemento se apresenta reduzido. É o caso de “és-sueste”. “És” significa neste caso “este”.

“Semântica” é o estudo da significação das palavras e da evolução do seu sentido. “Ano-luz” significa a distância que a luz percorre durante um ano. A palavra tem um significado próprio. Constitui uma unidade semântica.

Não é fácil explicar o que é um “sintagma”. Para não complicar demasiado, basta-nos saber que, se houver uma combinação de palavras que se seguem e produzem sentido, temos um sintagma. Então, podemos dizer que “ano-luz” é uma unidade sintagmática.

Talvez agora se perceba melhor a norma do acordo ortográfico que se segue.

Emprega-se o hífen nas palavras compostas por justaposição que não contêm formas de ligação e cujos elementos, de natureza nominal, adjetival, numeral ou verbal, constituem uma unidade sintagmática e semântica e mantêm acento próprio, podendo dar-se o caso de o primeiro elemento estar reduzido: ano-luz, arcebispo-bispo, arco-íris, decreto-lei, és-sueste, médico-cirurgião, rainha-cláudia, tenente-coronel, tio-avô, turma-piloto; alcaide-mor, amor-perfeito, guarda-noturno, mato-grossense, norte-americano, porto-alegrense, sul-africano; afro-asiático, afro-luso-brasileiro, azul-escuro, luso-brasileiro, primeiro-ministro, primeiro-sargento, primo-infeção, segunda-feira; conta-gotas, finca-pé, guarda-chuva.

A grafia “noturno” deve-se a que o acordo ortográfico está redigido com a ortografia que ele estabelece.

João Manuel Maia Alves
publicado por João Manuel Maia Alves às 10:43
link do post | comentar | favorito
|

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Maio 2010

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30


.posts recentes

. Convite

. Acordos de 1990 e 1945

. Boas notícias

. Notícias do acordo ortogr...

. Ortografia – uma convençã...

. Reformas ortográficas

. São Tomé e Príncipe ratif...

. Contrações incorretas

. Guiné-Bissau e Acordo Ort...

. Cimeira e acordo ortográf...

.arquivos

. Maio 2010

. Março 2008

. Novembro 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Setembro 2005

. Agosto 2005

blogs SAPO

.subscrever feeds